domingo, 17 de janeiro de 2010

Parabens Best +.+


Era tudo tão mais fácil quando ainda contávamos - pelos dedos de uma só mão - a nossa idade. Cheia de tantas pequenas histórias. E as gargalhadas que toda a rua conseguia ouvir, de manha cedo até ao cair da noite.
Era, nestas alturas, que louvávamos a nossa coragem e, cheios de vivacidade e com a firme ideia de que, um dia, íamos conseguir mudar o mundo, nos sentávamos debaixo de um mar de estrelas a contar segredos.
Era tudo tão mais fácil quando ainda julgávamos que nada mudava, só mudava se quiséssemos, mas era preciso força em duplicado. E de corpo franzino riamo-nos da nossa incapacidade de ganhar força no impensável.
Ainda te lembras de como eram essas alturas? Cheias de cor e de simplicidade. E das vezes que prometíamos estar sempre lado a lado? Mesmo que o perigo se avista-se e fosse bem mais forte que nós. E nós sorriamos porque a nossa amizade valia mais que tudo o resto e acreditávamos que nada a iria destruir. Na verdade foi sempre assim. De verdade, ainda hoje o é.
Era tudo tão mais fácil quando ainda não sabíamos o significado de «maldade», «problemas», «lágrimas», «ingratidão», e tantas palavras mais.
O nosso mundo não era assim, tinha mais cor e animação. Tantos sorrisos que ainda hoje levo no peito. Tantas promessas que ainda hoje guardo no coração.
Mas chegou a altura de crescer e lembro-me das «birras» que fazíamos, pois preferíamos continuar assim: pequeninos, franzinos, de garra no peito, com tardes passadas no baloiço da casa ao lado. A que estava abandona e que ficou a ser parte de nós por ser o nosso refugio.
Nenhuma de nós queria aprender como era importante tomar decisões e ser autónomo. Nós já o éramos, à nossa maneira – é certo – mas não havia momento em que a iniciativa não partisse de nós. Era mais fácil continuar assim, como éramos, para sempre. Deitar no chão da varanda, contar as estrelas, correr atrás de borboletas de tantas cores.
Éramos capazes de andar de baloiço um dia inteiro, sem haver sinal de cansaço. E sonhávamos que em todas as subidas mais altas conseguíamos tocar no céu.
Os nossos sorrisos eram sempre mais felizes e mais luminosos, já dizia o senhor que víamos, todos os dias, sentado na sua cadeira azul, a jogar às cartas com o seu grupo de amigos. E nós sorriamos, com olhos brilhantes, e continuávamos o nosso caminho em busca de sonhos. Os anos passaram, tu cresceste, eu cresci e grande parte do que fomos cresceu também. Era mais fácil quando ainda éramos crianças pequeninas e sorridentes. Mas é agora que eu te digo que crescemos e que foi melhor assim. É agora que eu te agradeço por tudo o que fomos e por tudo aquilo que somos, és a melhor amiga que alguém pode querer, e sabes que eu vou estar sempre aqui independente do que seja podes sempre contar comigo porque nos temos muito mais que uma infância juntas, temos uma vida e nada nem ninguém nunca vai destruir isso. PARABENS Carolina Grilo , Parabens Melhor Amiga! Eu Adoro. te sim <3

2 comentários:

  1. Oh +.+ Nem sei que dizer!

    Obrigado es demais mesmo e sim e claro que me lembro desses tempos *.*

    ResponderEliminar